6.4.07

Caxias. Feriadão. Finalmente. Chocolate simbólico para todos.
Foi uma semana barra, por minha culpa mesmo. Eu não consigo dormir bem desde quinta feira passada, e como dormir é importante pra mim, isso não ajudou. Fui falar com um cara desses que "sentem" as coisas e ele em fez pensar. E eu pensei, pensei, pensei e quanto mais eu penso mais eu quero não ter que pensar. Eu sei, ninguém sabe mais sobre mim do que eu. Mesmo assim, estou pensando. Domingo de noite foi como colocar o dedo na feria e girar. Doeu. Eu chorei e tudo, e não foi por nenhum motivo específico. Foi talvez, por não ter motivo nenhum pra nada. Dai eu fiquei nessa, mal, uns dois dias. Eu queria que alguém viesse conversar cmg, mas ninguém é adivinho né? Msnticamnte fiz ceninha, a coisa tá preta (e tava, meu deus, como estava) e tal, mais que isso não consigo. Não conseguindo escrever nada que dissesse alguma coisa mesmo fui dormir. Segunda fiz o esquema de sempre. Quando eu fico mal eu falo mais alto, rio mais forte, viro a espinha do avesso pra fingir que tá tudo bem. E todo mundo sempre acha que tá tudo bem. E eu realmente fico esperando que alguém veja que eu não to legal e venha falar comigo, ou não dizer nada. Acho que eu queria mesmo que alguém dissesse chega de teatro guria. Dor não precisa ter porquê, deixa doer, doer é preciso. Uma hora passa. Continuei até que a poeira baixou e deu pra chegar em casa e não ligar o som no último volume pra não me ouvir. Ficou foi um vazio brabo no lugar. Eu vi um filme, revi na verdade há pouco tempo. O cara disse que as pessoas acabam fazendo bobagens por passar tempo demais consigo mesmas. Ele tem razão. Eu quero uma folga de mim. Ou ao menos quero voltar no tempo, só um pouquinho, a quando eu era auto-suficiente, decidida e mais Eu. Eu gosto daquela Paula. Sinto falta dela. Acho que ela seria uma p$%¨&* advogada.

7 comentários:

Cris disse...

queria muito ter o q dizer. fiquei bastante tempo pensando, mas não consegui chegar a alguma conclusão. fiquei triste. queria tb saber o q fazer. mas não sei...

Isma disse...

Minha querida Paula,
(a vontade de te chamar de Paulinha numa hora dessas é grande, mas eu seguro)

Prometo que eu vou prestar um pouco mais de atenção quando te ouvir gritar mais alto. Gritos, na maioria das vezes, são pedidos de ajuda, mas as pessoas não se ligam. Eu não me ligo.
Eu já tentei conversar contigo sobre isso. Mas eu não consigo. Até porque eu tô numa situação muito parecida com a tua. A tua tem pontos em que, comparada à minha, é pior e melhor.
Pior: tu tem outra coisa em mente, outro objetivo, que só te puxa mais pra uma dúvida que tu não queria ter.
Melhor: tudo isso tu faz muito melhor que eu.

A minha opinião: tu é muito nova ainda. Não que eu seja Matusalém, mas tu é muito nova ainda. Tu quer fazer direito, quer porque quer. Então faça. Mas não agora. Termina jornalismo antes. "Mas eu vou perder mais dois anos da minha vida", diria, como já disse, tu. Eu acho que não. Acho que largar tudo agora seria sim jogar dois anos fora. Até pq eu acho que não seja o teu caso. Tu faz isso mto bem. E tu parece gostar mto mesmo de tudo isso. Os teus textos dos índios ficaram ótimos. Sério mesmo. Tu falando comigo de tudo que tu apurou pra essas matérias foi impresionante. Eu tenho certeza absoluta que tu leva jeito. E isso não impede que tu leve jeito pro direito tbm, sabe? Voltando ao ponto do 'tu é mto nova': Com a idade que eu to hj, tu pode estar formada em jornalismo e cursando direito. Tu pode cursar direito trabalhando como jornalista e ganhando dinheiro e vendo que o que tu quer é ser jornalista. Uma jornalista que sabe pacas de direito. Ou tu pode te desencantar com o jornalismo e ir pro direito mesmo. Quatro anos perdidos? Nunca. Tu vai ser uma advogada que sabe jornalismo afu. Pq tu sabe. E nada que tu diga ou faça vai me convencer do contrário.

Eu tô aí pra te aplaudir no que tu for fazer. Mas acho que tu deve seguir em frente, pelo menos por enquanto.

Não sei se ajudei, mas tentei.
Um bjo.

E, mesmo vindo de uma fase ruim, tu escreve bem pra caralho.

Natusch disse...

Eu acho que o Isma falou bem.

E tempo perdido não existe, Paula. Não mesmo. Não é legal usar a si mesmo como exemplo, mas eu só encontrei um rumo razoavelmente seguro para minha vida aos 24 e bolinha. E daí? Não deixa que nenhuma pessoa que não seja tu mesma te diga o que ser, o que fazer, quando e em que ritmo fazer. É a tua vida. Viva ela, simplesmente. O caminho se faz ao andar.

Qualquer coisa estamos aí. E as pessoas gostam bastante de ti, como podes ver =)

Bjo

Kauê disse...

Também não sei direito o que dizer...
Eu poderia dizer que concordo com o Isma. Poderia dizer que passar tempo demais consigo mesmo não é tão ruim. Poderia dizer que eu já andava meio preocupado contigo. Poderia dizer que crises são normais e que, em algum momento, nós acabamos por superá-las.
Mas acho que isso não ajudaria lá muito.
Então, só quero deixar registrado o que eu já te disse.
Se precisar de alguém pra te ouvir, estou por aqui. Pode me "encher". Pode contar comigo. Mesmo.
Só quero que tu fique bem.

Cris disse...

bom, agora eu queria ser o isma e ter dito coisas q realmente fizessem sentido. talvez eu não seja uma boa jornalista como vcs.

mas eu concordo com ele. claro, é uma opção q é tua. talvez a gente não deva meter o bedelho. mas se é pra dar opinião, acho q tu devia terminar jornal mesmo. pq tu já era jornalista antes de entrar na fabico. eu não, sabe? eu tinha vontade de aprender, mas tu já tinha o instinto, a coisa da curiosidade, de falar com todo mundo. e não vem dizer q isso qualquer um pode aprender, pq não é bem assim.

acho q tu seria uma boa advogada tb. mas claro, tu é inteligente, tem senso de justiça, tem vontade de aprender. difícil pensar em alguma coisa na qual tu não seria boa, especialmente nas humanas. mas ainda acho q o teu espírito aventureiro, curioso e criativo te leva pra rua, pro mundo.

agora tem aquilo q eu já te disse, e acho realmente q vale a pena pensar... tu tem certeza q tu não quer jornalismo? se tu tem, beleza, vai seguir a tua vida, faz direito, sê feliz. mas se tu não tem, não desiste. eu imagino q deve ser muito pior depois pensar q era aquilo, q tu podia ter terminado, mas q tu largou tudo. e se a situação for mesmo essa, se tu não tem certeza q tu não quer ser jornalista, tenta terminar o curso sem ficar tão atucanada. como disse o isma, tu é muito nova. tu pode terminar o jornalismo e fazer direito. pensa com carinho nisso, pq eu acho q vale a pena. aí tu vai ter dois cursos q tu gosta muito. sem ter te arrependido de não ter feito nenhum. eu sei q é fácil dizer "desencana" e q desencanar não é tão fácil assim. mas acho q a gente desencana com um pouco de exercício, de vontade. e acho q tu tinha q te esforçar pra isso.

bom, é uma opinião. espero q ajude.

e fiquei triste também por só conseguir entender exatamente o tamanho disso tudo quando já era público. acho q eu podia ter te ouvido mais, ter dito essas coisas antes, ter mostrado q eu queria fazer alguma coisa antes q todo mundo pudesse dizer isso também. e acho q eu podia ter dito isso tudo só pra ti, antes, quando tu me falou das tuas dúvidas, logo no início. acho q eu fui um pouco egoísta e te peço desculpa, paula.

eu te amo muito e quero muito te ver bem. quero muito te ver feliz.

beijão

Mário disse...

Pessoa! Interessante o blog.

Faz um tempo que estou aqui matutando um comentário que funcione como o tal emplasto Brás Cubas... mas melhor!

Algum dia decidi que te admirava, pelo conjunto da obra, pelas certezas que agora parecem cair por terra em sua mensagem... E preciso dizer que, ao ver tua força, me instiguei a não ser medíocre, a me esforçar mais.

Como disse um sábio ator de seriado cômico: Reconhecemos a força dos nossos heróis quando os mesmos já não sabem se o são.

Pra finalizar, o lado bom de se perder é a chance de encontrar um novo rumo, sem jamais esquecer de onde viemos...

E por algum motivo, me lembro do Mágico de Oz nesse instante.

Boa sorte, Dorothy.

fernanda disse...

Beibinho, eu sei que o que tu tá passando não é fácil.. aliás, acho que em maior ou menor grau, todos estamos em uma situação parecida com a tua.
Minha irmã é formada em direito, se tu quiser conversar com ela um dia.. me avisa. A gte vai pra um bar, vcs conversam e tu vê se é isso mesmo que tu quer. Mas não te ilude, direito não é só tribunal, casos emocionantes, assassinatos, etc. Na maioria das vezes você só vai trabalhar com processos trabalhistas ou coisas do tipo.
Eu nunca achei que tu estivesse em crise (pelo menos nesse grau), tu parece ter nascido pra isso. A tua empolgação qdo recebe alguma matéria legal pra fazer... sempre me pareceu mais do que um bom indício de que tudo vai dar certo no final.
Eu tô com o Isma e não abro: termina jornal primeiro. Se tu tá em duvida agora, o que te garante que tu não vai chegar no direito e ter tantas duvidas qto agora... ??? Eu tb tenho medo, e o medo me faz ter duvidas, mas eu penso que em qualquer outro curso, o medo e as duvidas iriam junto comigo.
Te amo, beibe. Qualquer coisa... me procura. ok?