26.6.07

Parágrafos

Abro essa janela, fecho, abro e por aí vai, texto que é bom necas. Na dúvida decidi escrever sobre o que sei melhor, ou seja (um dia vou conseguir digitar isso de novo sem um coro mental ao fundo gritando CERVEJA), coisa nenhuma. Estou interneticamente de luto. O no mínimo, meu quilombo de jornalistas preferido, acaba essa semana. Já faz um tempo que eles anunciam que sem patrocinador o negócio não ia ter como continuar, mas eu pensava "Que é isso, deve existir alguma boa alma endinheirada por aí disposta a bancar essa idéia". Não há. No more Zuenir Ventura, Kotscho e afins na rede, ao menos por enquanto. Frio(zão), chuva, dias cinzas. O trio inverno parada dura persiste em continuar. Toca Hold me closer tiny dancer/ Count the headlights on the highway no rádio, aquela música do Quase Famosos, e dá uma vontade enorme de sair pela vida num ônibus qualquer cheios de desconhecidos atrás de grandes histórias ou só de sair pela vida mesmo, sem pensar, planejar e todas essas bobagens. Nessas horas vem o Instantes do Borges à cabeça (ele sempre vêm) "Eu era um desses que nunca ia a parte alguma sem um termômetro, uma bolsa de água quente, um guarda-chuva e um pára-quedas; se voltasse a viver, viajaria mais leve" (como que a gente faz pra viajar mais leve?) . Falando em grandes histórias, tenho uma comigo, já faz um tempinho, mas não consigo por pra fora, desengasgar. É uma matéria que fiz/estou fazendo com um amigo sobre uma religião da amazônia, um troço muito, mas muito interessante. Pesquisamos pra caramba até conseguirmos entender e agora, arrg. Bem, o assunto em si não vêm ao caso, o fato é que não sai. Quer dizer, não sai no papel, porque a história em si nós já contamos pra muita gente e falando o negócio flui que é uma beleza (ah é, então grava, not, não funciona desse jeito (nem tenta discutir, (pseudo) jornalistas são pessoas estranhas)). Sabe aquela sensação de que está tudo ali, ao alcance da mão, e que se der vai ser íncrivel. SE der. De pijama, casacão, manta e pantufas (combinação elegantérrima) desci até a caixinha de correio. E daí que já é noite, nada impede que o carteiro tenha se atrasado. Espero uma carta como uma criança espera o Natal, ansiosa, feliz, sem saber direito o que vai encontrar. Um pedacinho de entendimento quem sabe? Faz tanto tempo. Domingo andei de bicicleta, fui até o Morro São Caetano. Ele fica ao lado de um outro morro (da Tv?) cheio de antenas, que olhando da redenção parece ser a parede que marca o fim da cidade. Não é, e como é bom perceber/respirar isso. A vista de Porto Alegre é inacreditável, fiquei namorando a idéia de ver o pôr-do-sol de lá. O céu deve ser um lugar cheio de morros asfaltados pra descer de bicicleta. Frases soltas "Quando a música para, tudo que resta é o silêncio" (da onde será isso?). E segue o baile, digo, a música. Lay me down in sheets of linen /You had a busy day today...

5 comentários:

Mário disse...

gostei do título!

hã? hã? show 0_o

fora isso... poderia citar o Drácula de Mel Brooks.

bezo

Kauê disse...

nao sei exatamente sobre o que tu escreveu
mas, se tu ia escrever sobre 'coisa nenhuma', falhou miseravelmente
hehe
;P
queria saber escrever assim
sobre nada e sobre tudo
e... q musica eh essa ae do 'tiny dancer'?
=***

Natália Pianegonda disse...

Nossa Paula... lindo

O céu deve ser um lugar cheio de morros asfaltados pra descer de bicicleta.

quero essa frase pra sempre.

Natusch disse...

De fato. Escreva sobre o nada mais seguido, Srta. Bianchi =P

E, bem, se o No Mínimo vai fechar, acho que teremos que inventar um novo... ;)

Paula disse...

Mário
Tb acho um grande título, merece até um movimento com o polegar e o indicador em sentido horizontal.

Kauê
Essa música é do filme "Quase Famosos", eles cantam todos juntos numa cena em que os persongens estão no ônibus em turnê. A versão original é do Elton John.

Nati
Brigada. Te dou a frase de presente. =)

Igor
Concordo! No momento tenho planos mais ambiciosos, conversaremos a respeito...

Errata:
O Instantes não é do Borges, é um desses textos que circulam por aí com nome errado. Mas ainda assim é tri bonito e se procurar por Instantes + Jorge Luis Borges acha do mesmo jeito.