22.7.07

Nada de Novo no Front

Na montoera de livros que dominam meu criado mudo um havia ficado de lado, meio sem querer. Enquanto eu descobria o Continente, do Érico Verissímo e me emocionava com as cartas do Caio Fernando o pequeno e surrado exemplar de "Nada de Novo do Front", emprestado da bibliteca em greve esperava. "Nada de Novo no Front é um puta livro. Leia, logo" disse o Igor. Pois bem, parafraseio ele. Nada de Novo no Front é um PUTA livro, leiam o mais breve possível! Narrado em primeira pessoa por um soldado alemão da primeira guerra mundial e publicado pela primeira vez em 1928, segundo a orelha da minha edição, ele chegou a ser proibido por desmistificar a idéia heróica e romântica dos soldados. O autor inclusive foi pra guerra, sofreu sérios ferimentos e começou a escrever depois de fazer de tudo um pouco, um pouco para se redimir, mais para sobreviver. A história mistura o cotidiano nos campos de batalha com reflexões sobre toda falta de sentido que é uma guerra entre outras coisas. Por mim, teria sublinhado meio livro (tenho a mania de copiar trechos que gosto e guardar), mas ok, a propriedade é pública. Dos muitos pedaços que me marcaram me segurei e separei só um trechinho:

"Albert exprime bem o que pensamos:
– A guerra arruinou-nos para tudo.
Ele tem razão. Não somos mais a juventude. Não queremos mais conquistar o mundo. Somos fugitivos. Fugimos de nós mesmos, e de nossas vidas. Tínhamos dezoito anos e estávamos começando a amar a vida e o mundo e fomos obrigados a atirar neles e destruí-los. A primeira bomba, a primeira granada, explodiu em nossos corações. Estamos isolados dos que trabalham, da atividade, da ambição, do progresso. Não acreditamos mais nessas coisas; só acreditamos na guerra".
Nada de Novo no Front, Erich M. Remarque

2 comentários:

Natália Pianegonda disse...

A rotina é uma balada de rimas óbvias.

pudera ter esse talento.

vou me esforçar pra manter meu blog mais atualizado. mesmo que cada vez mais cheio de bobagens. essas coisas dos nossos dias que a gente sente e quer que os outros vejam como essas coisas tomam forma na gente. mesmo que numa parte invisível aos olhos.

adoro essas coisas que tu coloca nesse blog. coisas que deveriam brilhar pra que todos parassem pra ler.

Felipeccs disse...

hm,me deu vontade de ler o livro,e um assunto que eu gosto muito,primeira guerra mundial,vou procurar na biblioteca daqui.
boa materia.