24.9.07

A casa

Faz um bom tempo que quero escrever sobre a minha casa, mas acabo sempre, por um motivo ou outro, deixando para lá ou parando no primeiro parágrafo. Quer dizer, escrever escrevo, e reescrevo e escrevo de novo. Textos enormes, detalhados, cheios de ganchos para outros textos, mas como faço isso quando estou andando de bicicleta, caminhando à toa ou viajando eles acabam nunca indo pro papel. Tenho certeza que minhas melhores histórias vieram e foram assim, quando me sobravam idéias e faltavam canetas.
Superado esse ‘isso não vai sair mesmo do jeito que eu havia pensando’ eu poderia dizer que a minha casa é uma casa de madeira bege com as janelas brancas e o telhado de telhas vermelhas situada num bairro residencial afastado do centro da cidade de Caxias do Sul.
Só que isso não descreve bem, apesar de ser mesmo uma casa bege de janelas brancas. Minha casa é o lugar que eu guardaria num globo de vidro, para levar pra sempre junto e intocado.
Bem, acho que ainda vai demorar um tempo.


Um comentário:

Isma disse...

Eu gostei da descrição. Mas principalmente da frase "tenho certeza que minhas melhores histórias vieram e foram assim, quando me sobravam idéias e faltavam canetas". Isso é tão real. Daí, na nossa incrível autoconfiança e petulãncia, a gente pensa: "Ah, eu vou me lembrar". E não lembra.