27.3.08

Veja é obrigada a publicar retratação

"A revista Veja que circulará neste final de semana deve trazer o maior direito de resposta já publicado em um veículo da grande imprensa. A publicação foi condenada pela 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, a indenizar em R$ 150 mil por danos morais o ex-secretário-geral da Presidência no governo Fernando Henrique Cardoso, Eduardo Jorge Pereira. O ex-secretário já recebeu indenizações dos jornais O Globo e Correio Braziliense e aguarda a liberação de depósito já efetuado pela Folha de S.Paulo. A revista Isto É também foi condenada, mas recorreu ao STJ.
No caso de Veja, a revista está obrigada a dedicar o assunto principal da capa a Eduardo Jorge, e quase 20 páginas editoriais em que se retratará. O executivo foi acusado pelo Ministério Público de envolvimento no esquema de desvio de dinheiro na construção do prédio do Fórum Trabalhista de São Paulo, com o juiz aposentado Nicolau dos Santos Neto. O juiz foi condenado, mas nada ficou provado contra Eduardo Jorge. Ele foi absolvido de todas as suposições feitas pelo MP e reproduzidas pela imprensa."
Fonte: Coletiva.net

25.3.08

Palmas para Davi

Diz o Unga, parodiando o Hobsbawm, que o século XX pode ter começado com a revolução russa, mas só termina com a morte de Fidel. Discordo. Para mim El Comandante mais que um mito é um sobrevivente. Alguém que resistiu a uma época especialista em matar ideologias. Coerente até o fim, sem dúvida - citando a citação do Niemeyer citada na carta de despedida.
Sei que todos já leram esse texto, mas ainda assim sinto necessidade de publicá-lo. Não vi Cuba com Fidel, não sei se verei Cuba com Raúl. Ainda assim, sinto um misto de admiração e curiosidade cautelosa em relação aquela ilha contra-corrente, refúgio dos últimos teimosos, que fez parte dos sonhos de tantas gerações - da minha não, não vou mentir (afinal, nasci na virada do século). Segue a mensagem, mais para não esquecer do que para lembrar.

Mensaje del Comandante en Jefe

Queridos compatriotas:

Les prometí el pasado viernes 15 de febrero que en la próxima reflexión abordaría un tema de interés para muchos compatriotas. La misma adquiere esta vez forma de mensaje.

Ha llegado el momento de postular y elegir al Consejo de Estado, su Presidente, Vicepresidentes y Secretario.

Desempeñé el honroso cargo de Presidente a lo largo de muchos años. El 15 de febrero de 1976 se aprobó la Constitución Socialista por voto libre, directo y secreto de más del 95% de los ciudadanos con derecho a votar. La primera Asamblea Nacional se constituyó el 2 de diciembre de ese año y eligió el Consejo de Estado y su Presidencia. Antes había ejercido el cargo de Primer Ministro durante casi 18 años. Siempre dispuse de las prerrogativas necesarias para llevar adelante la obra revolucionaria con el apoyo de la inmensa mayoría del pueblo.

Conociendo mi estado crítico de salud, muchos en el exterior pensaban que la renuncia provisional al cargo de Presidente del Consejo de Estado el 31 de julio de 2006, que dejé en manos del Primer Vicepresidente, Raúl Castro Ruz, era definitiva. El propio Raúl, quien adicionalmente ocupa el cargo de Ministro de las F.A.R. por méritos personales, y los demás compañeros de la dirección del Partido y el Estado, fueron renuentes a considerarme apartado de mis cargos a pesar de mi estado precario de salud.

Era incómoda mi posición frente a un adversario que hizo todo lo imaginable por deshacerse de mí y en nada me agradaba complacerlo.

Más adelante pude alcanzar de nuevo el dominio total de mi mente, la posibilidad de leer y meditar mucho, obligado por el reposo. Me acompañaban las fuerzas físicas suficientes para escribir largas horas, las que compartía con la rehabilitación y los programas pertinentes de recuperación. Un elemental sentido común me indicaba que esa actividad estaba a mi alcance. Por otro lado me preocupó siempre, al hablar de mi salud, evitar ilusiones que en el caso de un desenlace adverso, traerían noticias traumáticas a nuestro pueblo en medio de la batalla. Prepararlo para mi ausencia, sicológica y políticamente, era mi primera obligación después de tantos años de lucha. Nunca dejé de señalar que se trataba de una recuperación "no exenta de riesgos".

Mi deseo fue siempre cumplir el deber hasta el último aliento. Es lo que puedo ofrecer.

A mis entrañables compatriotas, que me hicieron el inmenso honor de elegirme en días recientes como miembro del Parlamento, en cuyo seno se deben adoptar acuerdos importantes para el destino de nuestra Revolución, les comunico que no aspiraré ni aceptaré - repito- no aspiraré ni aceptaré, el cargo de Presidente del Consejo de Estado y Comandante en Jefe.

En breves cartas dirigidas a Randy Alonso, Director del programa Mesa Redonda de la Televisión Nacional, que a solicitud mía fueron divulgadas, se incluían discretamente elementos de este mensaje que hoy escribo, y ni siquiera el destinatario de las misivas conocía mi propósito. Tenía confianza en Randy porque lo conocí bien cuando era estudiante universitario de Periodismo, y me reunía casi todas las semanas con los representantes principales de los estudiantes universitarios, de lo que ya era conocido como el interior del país, en la biblioteca de la amplia casa de Kohly, donde se albergaban. Hoy todo el país es una inmensa Universidad.

Párrafos seleccionados de la carta enviada a Randy el 17 de diciembre de 2007:

"Mi más profunda convicción es que las respuestas a los problemas actuales de la sociedad cubana, que posee un promedio educacional cercano a 12 grados, casi un millón de graduados universitarios y la posibilidad real de estudio para sus ciudadanos sin discriminación alguna, requieren más variantes de respuesta para cada problema concreto que las contenidas en un tablero de ajedrez. Ni un solo detalle se puede ignorar, y no se trata de un camino fácil, si es que la inteligencia del ser humano en una sociedad revolucionaria ha de prevalecer sobre sus instintos.

"Mi deber elemental no es aferrarme a cargos, ni mucho menos obstruir el paso a personas más jóvenes, sino aportar experiencias e ideas cuyo modesto valor proviene de la época excepcional que me tocó vivir.

"Pienso como Niemeyer que hay que ser consecuente hasta el final."

Carta del 8 de enero de 2008:

"...Soy decidido partidario del voto unido (un principio que preserva el mérito ignorado). Fue lo que nos permitió evitar las tendencias a copiar lo que venía de los países del antiguo campo socialista, entre ellas el retrato de un candidato único, tan solitario como a la vez tan solidario con Cuba. Respeto mucho aquel primer intento de construir el socialismo, gracias al cual pudimos continuar el camino escogido."

"Tenía muy presente que toda la gloria del mundo cabe en un grano de maíz", reiteraba en aquella carta.

Traicionaría por tanto mi conciencia ocupar una responsabilidad que requiere movilidad y entrega total que no estoy en condiciones físicas de ofrecer. Lo explico sin dramatismo.

Afortunadamente nuestro proceso cuenta todavía con cuadros de la vieja guardia, junto a otros que eran muy jóvenes cuando se inició la primera etapa de la Revolución. Algunos casi niños se incorporaron a los combatientes de las montañas y después, con su heroísmo y sus misiones internacionalistas, llenaron de gloria al país. Cuentan con la autoridad y la experiencia para garantizar el reemplazo. Dispone igualmente nuestro proceso de la generación intermedia que aprendió junto a nosotros los elementos del complejo y casi inaccesible arte de organizar y dirigir una revolución.

El camino siempre será difícil y requerirá el esfuerzo inteligente de todos. Desconfío de las sendas aparentemente fáciles de la apologética, o la autoflagelación como antítesis. Prepararse siempre para la peor de las variantes. Ser tan prudentes en el éxito como firmes en la adversidad es un principio que no puede olvidarse. El adversario a derrotar es sumamente fuerte, pero lo hemos mantenido a raya durante medio siglo.

No me despido de ustedes. Deseo solo combatir como un soldado de las ideas. Seguiré escribiendo bajo el título "Reflexiones del compañero Fidel" . Será un arma más del arsenal con la cual se podrá contar. Tal vez mi voz se escuche. Seré cuidadoso.

Gracias

Fidel Castro Ruz

18 de febrero de 2008

5 y 30 p.m.

20.3.08

Nuestro norte es el Sur

Torres Gárcia foi um artista uruguaio que concebeu a famosa frase "nuestro norte es el Sur", que tem por trás toda a idéia de um resgate da cultura e identidade da América do Sul. Hoje há uma retomada do seu trabalho na medida em que a valorização do continente latino-americano faz-se presente. Na semana passada, fiz com alguns colegas um especial de rádio a respeito. Quem quiser saber mais sobre o pintor pode ouvir o programa, que ficou divido em três capítulos no youtube (calma, pequenos três capítulos - 7, 8 minutos no máximo).
Começo, meio e fim.

Twilight zone

(desconhecido) – Tu consegue ler pensamentos?
(Eu) – Ainda não.
(desconhecido) – Ainda bem.

17.3.08

Realidade II

O que mais me irrita nas faculdades é que elas não preparam o cara para a realidade. Depois fica aí que nem a Paula, vendo duende.

Colega de redação (in) conformado

14.3.08

Bom dia, disse ele.
—Bom dia, disseram as rosas.
— Quem sois? perguntou o príncipe
— Somos rosas.
— Ah! exclamou o principezinho...
E ele sentiu-se extremamente infeliz. Sua flor lhe havia contado que ela era a única de sua espécie em todo o universo.
E eis que haviam cinco mil, igualzinhas, num só jardim!
Depois refletiu ainda:
"Eu me julgava rico de uma flor sem igual, e é apenas uma rosa comum que eu possuo... Isso não faz de mim um príncipe muito grande...
" E, deitado na relva ele chorou.
Foi então que apareceu a raposa:
—Bom dia, disse a raposa.
— Bom dia, respondeu polidamente o principezinho.
— Quem és tu? Tu és bem bonita...
— Sou uma raposa, disse a raposa.
— Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste.
— Eu não posso brincar contigo, disse ela. Não me cativaram ainda
—Que quer dizer "cativar" ?
— É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar laços..."
— Criar laços ?
—Tu és ainda para mim um garoto igual a cem mil outros garotos.
E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim.
Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas se
tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...
E a raposa continuou:
— Minha vida é monótona. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros.
Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra.
O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música.
E depois, olha!
Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil.
Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste!
Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado.
O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti.
E eu amarei o barulho do vento no trigo...
— Por favor... cativa-me! - disse a raposa.
— Bem quisera, disse o principezinho. Mas tenho pouco tempo e amigos a descobrir e coisas a conhecer.
— A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo pronto na lojas. Mas como não existem lojas de amigos, eles não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!
— Que é preciso fazer?
— É preciso ser paciente. Sentarás primeiro longe. Eu te olharei e tu não dirás nada.
A linguagem é fonte de mal-entendidos.
Mas cada dia sentarás mais perto... E virás sempre na mesma hora. Se tu vens às 4, desde às 3 eu começarei a ser feliz. Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às 4 horas, então, eu estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade. Mas se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração...
Assim, o principezinho cativou a raposa. Mas, quando chegou a hora da partida, a raposa disse:
— Ah! Eu vou chorar.
— A culpa é tua, disse o principezinho. Eu não queria te fazer mal, mas tu quiseste que eu te cativasse...
— Quis.
— Mas tu vais chorar!
— Vou.
—Então não sais lucrando nada!
—Eu lucro, por causa da cor do trigo.
—Vais rever as rosas e volta. Tu compreenderás que a tua é única no mundo.
E ele disse às rosas:
— Vós não sois iguais à minha rosa, vós não sois nada.
— Ninguém vos cativou e nem cativastes ninguém.
—Sois como era a minha raposa, mas eu fiz dela um amigo.
—Agora ela é única no mundo.
—Sois belas, mas vazias... A minha rosa sozinha é mais importante que vós todas.
—Foi dela que eu cuidei, ela é a minha rosa!
—Adeus, disse ele.
— Adeus, disse a raposa.
—Eis o meu segredo: Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos. Foi o tempo que perdeste com tua rosa que a fez tão importante. Os homens esqueceram essa verdade, mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas. Tu és responsável pela rosa...
— Sou responsável pela minha rosa...repetiu ele a fim de se lembrar...

Pequeno Príncipe, Saint-Exupéry

13.3.08

Luto

Por favor, façamos todos um minuto de silêncio em respeito a morte de uma das leituras esporádicas internéticas que eu mais apreciava: o blog Aviãozinho de Papel, assassinado deliberadamente pela autora em meados da semana retrasada (?).
Levada por comentários de instâncias progenitoras superiores - que consideram m#$%* e idiota termos muito agressivos - e do alto dos seus vinte e poucos anos, a senhorita N. decidiu por fim a sucessão de posts delicados e tocantes, que apesar da falta de frequência eram suficientes para motivar visitas se não diárias, semanais.
A rede de blog fabicanos ficou mais pobre - e sem sonhos com gosto de babaloo.

12.3.08

Os dias

Faz assim. Pega um dia, um desses diazinhos quaisquer que amanhã já são ontem. Estica, mas estica bem. Começa ele aí pela 5 e meia, quase ouvindo os galos cantarem, se é que existem galos nessas paradas porto-alegrenses. Daí faz tudo que você tem pra fazer e mais um pouco. Pula o almoço e o café-da-manhã se precisar. Cronometra o tempo, marca as coisas com intervalos de tempo de zero minutos e vai. Quando for quase dez da noite, chega em casa pensando "cama" (ou comida, depende da importânica que você deu para o almoço) e encontra os amigos sorrindo e querendo ser amigos. Então estica o dia mais um pouquinho e segue até a uma e lá vai pedrada da madrugada até o ponto dele (o dia) virar ontem e de deitar e encontrar o galo eletrônico do celular aí pelas 5 e meia da matina outra vez.

4.3.08

Quem tem medo da Veja?

"O maior fenômeno de anti-jornalismo dos últimos anos foi o que ocorreu com a revista Veja. Gradativamente, o maior semanário brasileiro foi se transformando em um pasquim sem compromisso com o jornalismo, recorrendo a ataques desqualificadores contra quem atravessasse seu caminho, envolvendo-se em guerras comerciais e aceitando que suas páginas e sites abrigassem matérias e colunas do mais puro esgoto jornalístico."
Luis Nassif, A cartase e a mídia

Alguém conhece o Luis Nassif? Pois bem, ele é um jornalista que fez mais ou menos o que a maioria das pessoas fazem ao ler/ter acesso a Revista Veja: se indignou. Só que ao invés de apenas fazer cara feia, ele direcionou esse sentimento, criou um blog e decidiu estudar como raios a maior revista de informação do Brasil virou um caderninho negro de raivas indefinidas a serviço de sabe lá quem. O negócio ganhou proporção nacional e gerou um debate sobre o destino da publicação da Abril, raramente criticada abertamente justo por ser da Abril. Tanto que a próxima edição da Caros Amigos conta com o próprio Nassif na capa e o sugestivo título "Quem tem medo da Veja? Ele não".
Esse rolar morro abaixo da Veja sempre me intrigou. Minha família assinou a revista durante muitos anos e - não pode apenas ser fruto da minha imaginação - ela era boa, ao menos muito melhor do que agora (sim, isso não é difícil). Claro, era de direita e dava uma alfinetada aqui e ali, mas até onde me lembro não costumava, usando um termo do professor Ungaretti, brigar com a notícia. Um exemplo é a diferença entre a matéria dos 30 anos e a dos 40 anos da morte do Che - não parece a mesma publicação.
Já faz alguns anos, me doeu perceber o seu desgringolamento a passos largos, afinal ela faz parte da minha infância. Lá pelas idas do ano retrasado até comecei um projeto de pesquisa a respeito, mas meu enorme talento pra coisa somado a tradicional disposição estudandil e um grande professor desorientador ajudou a encalhar a idéia. Hoje em dia, e não apenas pela minha faculdade de jornalismo, eu não consego sequer ler a revista sem ter uma uma alergia mental. Até mesmo leitores tradicionais estão abandonando o barco, prova disso é o aumento de 15 % nas assinaturas da rival Carta Capital.
Voltando ao Nassif, vale a pena ler as observações do cara. Quem quiser pode até contribuir com informações para ajudar na pesquisa. São explorados os motivos, casos pontuais entre outras coisas a fim de entender como a Veja chegou a esse ponto - indo mais longe, como o jornalismo tupiniquim regrediu tanto. Estou curiosa para ler a entrevista da Caros. Declarar que a Veja é uma m@$%& é uma titude corajosa e arriscada, suficiente para arrecadar uma penca de inimigos de peso. Sem contar que é sempre bom ver alguém falando em voz alta aquilo que não passa de comentários conformados de corredor.

3.3.08

De volta a twilig zone. Pena. Justo agora que o mundo real está ficando tão divertido.

1.3.08

Entrevista com o professor Nizar

Well, cá estou outra vez. A história ficou pela metade (pelo primeiro terço seria o mais correto), mas ao contrário do que eu disse ante-anteriormente não foi devido a nenhum surto nem nada do gênero. Foi culpa mesmo da velha e boa falta de internet - e meios de comunicação em geral, digasse de passagem. Para ajudar a compor o quadro do que raios eu estava tentando dizer, segue uma entrevista com o professor Nizar Messari. Timing trágico, saiu no jornal semana passada, um pouco antes de Gaza voltar a pauta com tudo por causa dos ataques israelenses. O professor Messari dá aula na Puc carioca e, além de especialista em Oriente Médio, é marroquino e muçulmano. Não é o bixo nem gancho direto da fala da Fátima, mas ajuda a pegar o contexto.


Possibilidade de paz é remota

Em novembro do ano passado a cidade de Annapolis, nos Estados Unidos, foi sede de uma conferência que reuniu diversos países árabes para estabelecer um acordo de paz entre Israel e Palestina. Após o encontro, promovido pelo presidente norte-americano, George W. Bush, foram estabelecidas metas a fim de chegar a uma solução para o conflito até o fim de 2008.

No entanto, logo após o início das negociações, uma série de ações de ambos os lados minaram as já escassas esperanças de alcançar a paz. O ponto mais latente é a Faixa de Gaza, que teve suas fronteiras bloqueadas pelo governo israelense em retaliação aos lançamentos diários de foguetes rústicos em direção ao sul do país por parte de militantes palestinos. Cerca de 1,5 milhão de pessoas vivem nos 360 km² do território, uma das áreas mais populosas do mundo. Para o professor da PUC-RJ Nizar Messari, especialista em Oriente Médio, a iniciativa de Bush tem poucas chances de êxito e dificilmente os governos da região irão chegar a um acordo até o fim do ano.

Jornal do Comércio - Existe possibilidade de um estado palestino ser estabelecido a curto ou médio prazo, como quer o presidente norte-americano George W. Bush?
Nizar Messari
- Desde 1993 estamos muito próximos disso; em 2000 estávamos muito perto de um acordo. Existe alguma possibilidade, mas no meu ponto de vista ela é muito remota. Essa iniciativa do presidente Bush me parece fadada ao fracasso devido ao tempo perdido. Bush ficou sete anos sem atuar na mediação do conflito. Agora está em fim de mandato e ninguém o ouve, nem nos EUA. Pode, por causa dessa falta de credibilidade, acontecer o inacreditável e surpreender todo mundo, e essa é a torcida. Tanto o presidente palestino, Mohamoud Abbas, quanto o premiê israelense, Ehud Olmert, são dois líderes bastante desacreditados. Para ambos me parece muito difícil convencer suas populações da necessidade de fazer concessões, sacrifícios.

JC - Qual o objetivo dos Estados Unidos em incentivar um acordo de paz?
Messari
- Por um lado correr atrás do tempo perdido. Os EUA vêm sendo pressionados para atuar nesse conflito desde o primeiro mandato de Bush. Por outro , existe uma previsão entre analistas de que para resolver os problemas no Oriente Médio é preciso resolver o conflito entre israelenses e palestinos. E por fim, estar no fim do mandato e com uma série de fracassos na política internacional levou o governo Bush a acreditar na possibilidade de que se ele conseguir obter a paz entre israelenses e palestinos passaria para história como alguém que teve um desempenho fenomenal na política internacional. Eu acho que é pura ilusão. O presidente Bill Clinton, que se empenhou desde o início na questão, tentou uma mediação no último ano de mandato e fracassou. Imagina Bush, que nunca se interessou pelo assunto! Mas milagres acontecem. Em termos de sofrimento, a região já pagou bastante. Temos que torcer por qualquer iniciativa que possa trazer a paz.

JC - Qual a conseqüência do muro construído entre a Faixa de Gaza e Israel?
Messari -
A preocupação, o medo dos palestinos é que essa separação represente uma fronteira final de um eventual estado palestino. Bush tinha sinalizado em um discurso no qual defendeu a criação de um estado palestino que a população ia ter que se submeter às realidades do terreno, fazendo alusão justamente a necessidade por parte dos palestinos de reconhecerem os limites que a cerca estava impondo. Hoje em dia a condenação internacional unânime dessa separação tem deslegitimado esse muro e se fala cada vez menos dele como a futura fronteira. A conseqüência dele acaba sendo trazer segurança à população israelense, já que desde a sua construção os atentados contra Israel diminuíram de maneira significativa.

JC - Qual a diferença entre o Fatah e o Hamas?
Messari
- O Fatah é um movimento mais antigo, laico e nacionalista. Foi fundado em 1959 para a criação de um estado palestino. Muitas das suas lideranças que ainda vivem voltaram aos territórios ocupados após os acordos de paz de 1993 que criaram uma Autoridade Nacional Palestina. O Hamas é um movimento que nasceu na década de 1980 com uma base altamente religiosa com o objetivo de providenciar a população nos territórios ocupados um enquadramento emocional e material diante das situações pelas quais estavam passando; desenvolveu-se e tornou-se uma organização política que acabou participando das eleições. Ambos têm seguidores e orientações políticas distintas. Hoje o Hamas é muito mais radical na defesa dos interesses palestinos e goza de maior legitimidade entre a população. Ele defende a criação do estado palestino em todo território, não apenas na Faixa de Gaza e na Cisjordânia, rejeita Israel e os acordos de paz de 1993.

JC - Como deve se desenrolar a crise entre a Faixa de Gaza e Israel?
Messari
- Por enquanto o Hamas vai continuar jogando foguetes por cima de Israel em atos criminosos e os israelenses vão continuar castigando a população de maneira coletiva, em outro ato criminoso. No entanto, essa violência física não tem que mascarar a questão de fundo; a única solução viável e duradoura para o conflito entre israelenses e palestinos é a criação de dois estados. Cada um com a sua capital onde quiser, e ambos querem Jerusalém, e cada estado viável e capaz de continuar existindo e sobrevivendo de forma independente e soberana.