20.8.08

Veja way of journalism


Buenas. Hoje recebi um e-mail de uma amiga historiadora comentando a matéria de capa da Veja. Reação pré-abertura do e-mail "ok, o que foi que ele fizeram dessa vez?". Sás, aquele pessoalzinho da abril tá tão acostumado a fazer m#$%&* que com o tempo a indignação se torna um dar ombros... No entanto essa semana eles conseguiram, de novo, passar do tolerável. A minha amiga começou um e-mail com um "Faz História e salva a tua categoria!" tamanha a desfaçatez do texto (o que me lembra, como um periódico desse nível consegue ter uma média de um milhão de leitores?).

Segundo as "jornalistas" Monica Weinberg e Camila Pereira uma pesquisa encomendada pela Veja mostrou que o ensino nas escolas brasileiras comprova a "tendência prevalente entre os professores brasileiros de esquerdizar a cabeça das crianças". Para isso, ela se valem de dados e visitas em escolas, que mesmo colocadas em contexto desfavorável não tem nada de mais, e dos tradicionais insultos descabidos entre outras pérolas.
"
Para 78% dos professores, o discurso engajado faz sentido, uma vez que atribuem à escola, antes de tudo, a função de "formar cidadãos" – à frente de "ensinar a matéria" ou "preparar as crianças para o futuro"." Todos concordam que formar cidadãos é um disparate, off course.
"Os professores esquerdistas veneram muito aquele senhor que viveu à custa de um amigo industrial, fez um filho na empregada da casa e, atacado pela furunculose, sofreu como um mártir boa parte da existência. Gostam muito dele, fariam tudo por ele, menos, é claro, lê-lo", Tio Marx, para quem não reconheceu.
O sindicato do professores gaúcho já se manifestou contra o texto, assim como outros professores e estudantes rede afora. "Pobres alunos", coloca a matéria. Realmente, são eles, os professores de história e geografia, os maiores difusores da visão parcial de mundo tão pouco praticada pela Veja. Só faltou dizer que eles comem criancinhas.

3 comentários:

Cris Rodrigues disse...

eu sempre me pergunto o q a gente pode fazer pra q as pessoas não leiam mais essa coisa. além, claro, de criar uma revista nova, muito mais atraente e interessante, com textos bons e tal...
é impressionante como a veja faz a cabeça das pessoas, tem leitores. eu começo tentando convencer a minha tia q a veja mente. não dá pra dizer q é de direita, pq isso ela não vai achar ruim, mas se provar q mente, de repente convence. e bah, não dá mais nem pra olhar pra capa. dá ânsia de vômito.

Paula disse...

assim, eu ganho na loteria e a gte faz uma baita revista. Dessas marcantes, divertidas, interessantes. E de quebra ainda põe toda a gurizada para trabalhar nela. ;)
Realmente, as pessoas continuarem lendo e citando ela é o que permite essas barbaridades - vide o querido professor de Direito e Ética. Acredito que parte dessas credibilidade inabalável venha do fato da veja ser a primeira revista de informação do país e ter sido uma boa revista algum dia. A maior parte da população não tem contato direto com ela, seja pelo preço, seja pelo pouco empenho em ler, e parte do pressuposto que ela continua na mesma. Mas sinto que a revista vem perdendo público/credibilidade, e isso além do tradicional mundinho estudantes/esquerda.

lola aronovich disse...

Sério, quem lê a Veja hoje em dia? Eu conheço algumas pessoas, mas é tudo gente que sempre seguiu o pensamento político da Veja. É gente que sempre foi e sempre será de direita, que odeia a esquerda, acha que todos os problemas do país devem-se à esquerda (mesmo que a esquerda só entrou no governo há 6 anos), que acha que lá fora, nos países "sérios", é que é bom, e que brasileiro é burro e não trabalha. A Veja tá "preaching to the choir", sabe? Acho que vez por outra ela deve ser lida nos consultórios do dentista tb. E é isso. A gente nunca vai saber como vão as vendas, porque a Veja não vai divulgar, mas tenho certeza que devem ter caído muito. Senão, eles não mandariam a revista de graça pra todo canto. Eu conheço mais gente que deixou de assinar a Veja que gente que assina a Veja. Esse não deve ser um bom sinal.
Mas sim, claro, o sistema educacional brasileiro é ruim porque os professores são de esquerda!
Puxa, já imaginou que bárbaro seria se a escola realmente conseguisse formar cidadãos?
www.escrevalolaescreva.blogspot.com