22.10.08

Abaixo-assinados

Sei que a maior parte das pessoas acha um saco assinar abaixo-assinados, por isso vou incomodar vocês duas vezes de uma vez só. Não sei até que ponto essas petições tem efeito, mas ao menos é uma forma de não ficar calado frente a situações que devem ser mudadas.
Primeiro, recomendo que vocês dêem uma olhada no abaixo-assinado contra o projeto Pontal do Estaleiro, que pretende construir seis espigões na orla do Guaíba. Trata-se de uma obra de dimensões desproporcionais com relação a região, que se executada modificará tanto a paisagem, quanto o trânsito e o clima de Porto Alegre. Além disso, a orla é uma área de proteção ambiental e, como é vocação de uma orla, deveria servir a população, não a interesses privados. A Cris explica bem melhor que eu a situação. A votação foi adiada para o dia 29/10. Se essa petição conseguir 5 mil assinaturas até lá é possível que ela seja adiada definitivamente.
O outro abaixo-assinado trata-se de uma carta aberta ao colunista Henrique Goldman e à revista Trip. Em setembro, a Trip publicou uma carta aberta de Goldman a empregada que ele estuprou quando tinha catorze anos. Claro que a palavra estupro não é mencionada em nenhum momento e a própria revista faz graça com a situação ao apresentar o colunista como "Henrique Goldman, 46, cineasta paulistano radicado em Londres, tornou-se mais jeitosinho com as mulheres ao longo dos anos". Repugnante. Fiquei sabendo da história, que não teve repercussão nenhuma na mídica, através do blog da Lola. Em tempos de tragédias como a morte da menina Eloá, o caso ilustra a forma como as mulheres são tratadas como posse pela pela sociedade.
No texto Goldman conta como ele e um amigo deram o "bote" na empregada da casa, Luisa, e fala da raiva que sente do Brail - sim, do Brasil - por isso ter acontecido. "Você não queria, mas por força da nossa insistência acabou cedendo. Sinto ódio do Brasil quando penso que você provavelmente tivesse medo de perder o emprego. O Adalberto, é claro, foi o primeiro. Subi numa escada e fiquei olhando através da janelinha do cubículo que era o teu quarto. Depois fui eu. Não foi bom, Luisa. Na hora do vamos ver fiquei envergonhado e não rolou legal. Até hoje me envergonho. Muito. Espero que você esteja bem. Espero que para você a memória daquela tarde não seja tão ruim e que você possa rir do que aconteceu”.
A única coisa que a petição pede é que a carta resposta condenando o colunista também seja publicada na Trip, como forma de mostrar que alguém leu aquele absurdo e não compactua com isso. Afinal, para a revista e para Goldman às mulheres que "cederam por insistência" só resta rir do que aconteceu.

* Resposta da Lola ao auto-intitulado Mito da Caverna, que não contente em mandar a blogueira lavar a louça ainda teceu uma tese sobre como estuprar alguém aos 14 anos não deve ser crime.

3 comentários:

lola aronovich disse...

Ahn, põe o meu link aí no post? Aliás, de repente, põe o link pra resposta que dei pro leitor que acha que o Henrique Goldman não fez nada de mais.
E aquela revista? Tô esperando!
Abração!

Paula disse...

Opa, achei que o link já estivesse aí... Coloco sim. Bem lembrado! Vou colocar ela a vista. ;)

Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho disse...

Novamente espera-se que a Câmara vote o projeto.
Está agendado para quarta-feira, 29 de outubro.
Por favor, manifeste-se.
Comunique seus conhecidos, passe o link do abaixo-assinado da internet.
E, caso possa, compareça na Câmara para dizer NÃO ao projeto.
Quem sabe alguns vereadores escutam?