10.10.08

Um responsável, ao menos

Demorou, mas parece que a ditadura está começando a ter existido. Primeiro o burburinho pelos arquivos, depois a discussão da anistia... passos de tartaruga, mas passos. Ontem o coronel Ustra, grandão das forças armadas, foi declarado responsável pela tortura do casal de ex-presos políticos Maria Amélia de Almeida Teles e César Augusto Teles, e de Criméia Schmidt de Almeida, irmã de Maria, durante o regime militar.
O entedimento resultou de uma ação declaratória ajuizada pelo casal e por Criméia (ação declaratória é quando se pretende apenas provar que uma coisa existiu ou não, sem pedido de indenização). César e Maria Amélia foram torturados em frente aos filhos de 4 e 5 anos pelo mesmo Urdi, comandante do DOI-Codi paulista na época.
A reportagem da Agência Brasil procurou o militar, mas ele preferiu não dar declarações. Segundo seu advogado, ele "se incomoda em ser tachado de torturador. Ele considera desagradável e injusto".
Claro, essas coisas são muito desagradáveis. Conforme afirmou Amélia para a AB, "deve ser mesmo desconfortável, mas que ele cometeu tortura, cometeu. Pode mesmo incomodá-lo, mas é uma questão de justiça. Bater, espancar... tudo o que ele fez foi tortura, não tem outro nome para isso".
O Coronel ainda é autor do livro Projeto Orvil, que vocês podem encontrar no divertidíssimo site A Verdade Sufocada, que mostra "A história que a esquerda não quer que o Brasil conheça". De acordo com o site, "O livro resgata a verdade de um período histórico totalmente distorcido por aqueles que hoje encobrem os seus reais desígnios de transformar o Brasil em um satélite do comunismo internacional, com a falácia de que lutaram contra uma ditadura militar para promover a liberdade e a democracia."

Nenhum comentário: