28.2.09

XX

Com a aproximação do dia 8 de março e as diversas homenagens decorrentes da data não consigo não pensar: como metade da população mundial pode ser uma minoria?

24.2.09

Os livros do Renato. O PP-com-alma-de-médico/médico-com-alma-de-PP mais bacana que a Fabico já viu.

Humano, demasiado humano

"Descofie de tudo e todos que se dizem imparciais - inclusive do código de ética jornalístico. Ninguém - nem qualquer jornalista - possui um salvo-conduto para ser indiferente. Um código de ética não pode incitar uma categoria a renunciar à vida: é como se a Constituição fizesse apologia ao suicídio."

Ana Lúcia Behenck Mohr

Grande reflexão da Ana Lúcia. A gente escreve, a gente sempre escreve, a partir de um ponto de vista. O nosso. O filtro do texto é um ser humano, resultado de um monte de outras pequenezas, que não deixam de existir no momento em que se entra em uma redação. Não é uma questão de participar ou não de um partido político. Carregar ou não uma bandeira. É uma questão de admitir a própria humanidade.
(Às vezes dá essa vontade de transformar o blog numa casinha aconchegante onde eu tenha vontade de chegar e largar uma palavra que outra. Às vezes não.)

23.2.09

"... tenho uma coisa apertada aqui no meu peito, um sufoco, uma sede, um peso, não me venha com essas história de atraiçoamos-todos-os-nossos-ideais, nunca tive porra de ideal nenhum, só queria era salvar a minha, veja só que coisa mais individualista elitista, capitalista, só queria ser feliz, cara."
Caio Fernando Abreu

19.2.09

Buenos Aires 1.300 Km

Buenos Aires não é um lugar, mas um estado de espírito. Clichês a parte, a vida não pode ser vivida sem aquela palavra mágica, que o Galeano tão bem definiu como "cheio dos deuses": entusiasmo. Sentir esse clima portenho, conhecer essa gente perdida mas não sem norte... foi como um banho frio em um dia absurdamente quente. Buenos Aires me ajudou a respirar.
Abra los ojos, diz o título de um filme espanhol. Abra los ojos e mira que a vida está ao pé da porta. Qual porta depende de quão longe você pretende chegar.

10.2.09

Horra de arrumar as malas, organizar as idéias, respirar fundo e se preparar. Logo, a realidade deve bater a porta e acabar com esse intervalo não intervelado que são os meses entre o natal e o carnaval. Menos sol, menos dia, menos desculpas.

7.2.09

Ãah?

O Mino largou a Carta de mão!

"Eu acho que não se pratica jornalismo sem se obedecer a três princípio básicos: a fidelidade canina à verdade factual; o exercício desabrido e constante do espírito crítico; e, importantíssimo, a fiscalização do poder, onde quer que ele se manifeste. Sem isso, não há jornalismo."
Mino Carta