24.2.09

Humano, demasiado humano

"Descofie de tudo e todos que se dizem imparciais - inclusive do código de ética jornalístico. Ninguém - nem qualquer jornalista - possui um salvo-conduto para ser indiferente. Um código de ética não pode incitar uma categoria a renunciar à vida: é como se a Constituição fizesse apologia ao suicídio."

Ana Lúcia Behenck Mohr

Grande reflexão da Ana Lúcia. A gente escreve, a gente sempre escreve, a partir de um ponto de vista. O nosso. O filtro do texto é um ser humano, resultado de um monte de outras pequenezas, que não deixam de existir no momento em que se entra em uma redação. Não é uma questão de participar ou não de um partido político. Carregar ou não uma bandeira. É uma questão de admitir a própria humanidade.

Um comentário:

Ana Lúcia disse...

Grande reflexão da Ana Lúcia, nada! Grande reflexão que a Ana Lúcia copiou do Gramsci e deu uma modificadinha (mais ou menos o que os showrnalistas fazem com os releases). :p