30.9.09

Carmem Miranda está salvando a minha sanidade mental.

Blog da Yeda

Depois da Petrobras, da presidência da República e da dona Maria da banca de frutas criarem blogs é a vez da... Yeda! Sim, a desgovernadora Yeda Crusius agora tem um blog e um twitter em que renova sua relação como "pessoa, e pessoa pública, com o mundo aberto da rede". Atença para os comentários.
Ainda prefiro @yedacrusius.

29.9.09

Monografia time 3 1/2

* Nada melhor pra incentivar a leituras de livros e artigos acadêmicos do que se apaixonar por um calhamaço de 500 páginas viciante - e nada acadêmico.

* Nunca limpei um banheiro tão bem na vida. Uma hora esfregando o chão pode parecer maçante, mas causa menos culpra que uma hora de bobeira na internet.

Aos estudantes e curiosos em geral

Fiquei feliz da vida ao encontrar esse site da universidade portuguesa de Beira do Interior. Ele disponibiliza gratuitamente em pdf todos os livros produzidos pelo seu laboratório de comunicação, o que facilita pra pesquisa e pro bolso. As novas tecnologias aparecem disparado entre as publicações, mas também há estudos sobre a relação entre a comunicação e os movimentos sociais, por exemplo. A Ufrgs tem um site equivalente, o Limk, que traz os artigos produzidos pelos mestrandos, doutarandos e professores da Fabico (cavocando mais um pouco descobri o LUME, Repositório Digital da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que também tem as teses e dissertações online). Outra universidade brasileira que disponibiliza as suas teses e dissertações pro povão é a USP, com a sua biblioteca digital. É o conhecimento acadêmico deixando de pegar pó nas prateleiras e migrando pra internet!

'Sorria, você é um jovem monolito e a vida vai ser pedrada'

O André Dahmer é um dos melhores cartunistas/artistas brasileiros. Depois de tomar minha dose diária de Malvados, entrei no blog dele pra matar mais um pouco de tempo da monografia e dei de cara com esse texto. Dói de tão bom.

Monumento a um monolito


Idiota, Iberê Camargo

"Aos completar trinta anos, você ganhará os olhos duros dos sobreviventes. Só verá sua amada na parte da manhã e da noite, só encontrará seus pais de vinte em vinte dias. E quando seus velhos morrerem, você ganhará um dia de folga para soluçar e gritar que deveria ter ficado mais próximo deles. Sorria, você é um jovem monolito e a vida vai ser pedrada. O trabalho é uma grande cadeia e você sentirá muito alívio por ter uma. A cadeia engrandece o homem. E o sangue do dinheiro tem poder. Reze. Reze ajoelhado por uma carreira, dê a sua vida por ela. Viva como todo mundo vive, você não é melhor que ninguém. Porque o dinheiro move montanhas, o dinheiro é a igreja que lhe dará o céu. Sorria, você é um jovem monolito e o mundo é uma pedreira. Eles irão moer você todinho. De brinde, muitos domingos para chorar sua falta de tempo ou operar uma tendinite. Nas terríveis noites de domingo, beba. Beba para conseguir dormir e abraçar mais uma monstruosa segunda-feira. Aquela segunda-feira que deixa cacetes moles e xoxotas secas para sempre. A vida é uma grande seca, mas ninguém sente calor: Nas salas refrigeradas, seus colegas de trabalho fabricam informação e, frios, sonham com o dia dez do próximo mês. Você é o Babaca do Dia Dez, não há como mudar o seu próprio destino. Babaca que acorda assustado, porque ninguém deve atrasar mais de vinte e cinco minutos. Eles descontam em folha e você é refém da folha, do salário, do medo. Ninguém tem o direito de ser feliz, mas você ganhará a sua esmola de seis feriados por ano. E todos nós vamos enfrentar, juntos, um imenso engarrafamento até a praia. Para fingir que ainda estamos vivos. Para mostrar que ainda somos capazes de sentir prazer. Para tomar um porre de caipirinha sentado em uma cadeirinha de praia. É uma grande solução. E você ainda ganhará quinze dias de férias para consertar a persiana, pagar contas, fazer uma bateria de exames. Ninguém quer morrer do coração, ninguém quer viver de coração. Eu não duvido da sua capacidade de vencer: Lembre disso no primeiro divórcio, no primeiro infarto, no primeiro AVC."

28.9.09

"Tenho várias caras. Uma é quase bonita, outra é quase feia. Sou um o quê? Um quase tudo". Clarice Lispector

Me render ou não me render?

Vejam só, agora tem até twitter do RU da saúde.

25.9.09

Rápidas

Essa história da queda do desmatamento no Amazônia legal é muito bacana, dá a impressão que a consciência ambiental está indo pra frente e por aí vai. Mas por que ninguém escrever que da mesma forma que diminui o corte de árvores por lá aumentou o desmatamento no Mato Grosso e no Pará? Não tá na moda defender o pantanal?

*

Campanha eleitoral bombando nas páginas da Folha. Domingo foi dia de sabatinar a ministra Dilma Roussef, ontem publicaram a pesquisa do Ibope que dava maioria pro Serra e criaram um animosidade entre o Ciro Gomes e o governo. Hoje já vem o Ciro dizendo que a Dilma tem chance, pertinho de uma matéria em que ela aparece alfinetando o Serra. Acho que no fim quem vai ficar de boi de piranha vai ser a Marina Silva, disputada pela direita e pelo centro petista.

*“Cada vez más ciudadanos toman conciencia de esos nuevos peligros y se muestran muy sensibles respecto de las manipulaciones mediáticas, convencidos de que en nuestras sociedades hipermediatizadas, vivimos paradójicamente en estado de inseguridad informativa. La información prolifera, pero sin ninguna garantía de fiabilidad. Asistimos al triunfo del periodismo de especulación y de espectáculo, en detrimento del periodismo de información. La puesta en escena (el embalaje) predomina sobre la verificación de los hechos. Hubert Beuve-Méry, recordaba siempre: "Los hechos son sagrados, la opinión es libre"."
Ignacio Ramonet, Medios de comunicación en crisis, Le monde, janeiro de 2005

24.9.09

Guisado engana carnívoros

Porque nem tudo aqui é monografia e jornalismo. A gente também espera ansiosamente pela hora de encher a pança!
Morando com vegetarianos há um bom tempinho ainda não encontrei motivos fortes o suficientes pra dizer adeus de vez aos bifes - apesar deles não me fazerem muita falta-, mas como o que não mata, engorda, acabei aprendendo uma série de receitas vegans pacas e mega gostosas. Se a gente pensar bem, arroz, feijão, ovo e batata frita é um prato vegetariano!
Voltando a receita, estava eu a cata de algo para comer no meu belo armário universitário - nessa época do mês, principalmente, lembra um pouco os filmes de faroeste (só falta passarem aquelas bolas de grama rolando), quando encontrei um saquinho esquecido de proteína de soja desidratada. Sim, soja! O bom da proteína é que ela pode passar meses guardada que não estraga e basta um pouquinho de água pra ter uma janta. Olhei pra proteína, ela olhou pra mim e com mais um restinho de geladeira deu pra fazer uma refeição caprichada.

Usted vai precisar de:
Uns dois ou três punhados de proteína de soja (tem a graúda e a pequeninha, nesse caso usei a menor que lembra bem guisado);
Tudo que você tiver de legumes na geladeira (eu fui de cenoura, pimentão, tomate e milho. No caso de um mundo sem tomate, molho pronto resolve o problema (com muito menos classe, off course);
1 cebola média;
sal e temperos;

Pra começar, coloca a proteína de soja em um pote e cobre de água. É melhor fazer isso um tempo antes, pra ela fica bem cheinha, mas se não der 15 minutos resolvem. Enquanto a proteína vai desidratando tu pica a cenoura, o tomate, o pimentão e a cebola. Pega uma panela ou uma frigideira - eu uso a frigi, mas tem que ser grandona pra caber toda a comida -, manda ver um fio de óleo e coloca a cebola pra fritar. Quando a cebola estiver soltando aquele cheiro bom, acrescente os legumes. A ordem depende do gosto. Por exemplo, eu ponho o pimentão bem no começo, que daí ele amolece e perde aquele gostão de pimentão que faz a gente arrotar, e a cenoura pra pro fim, pra ficar firme. Tempera isso do jeito que der - sal, pimenta, manjericão, orégano - e espera refogar. Tem um tempero chamado tahime, que basicamente é molho de gergelim, que é O tempeiro nas casas vegetarianas. Se tiver, uma colher de sopa rasa dá pro gasto. Quando a coisa tiver bonita, coloca a proteína de soja previamente escorrida pra não virar sopa de proteína ao invés de guisado. É só mexer bem, deixar refogar mais um pouco, colocar o milho e voalá: guisado de soja com legumes. Saudável no último.
Como a fome foi mais rápida que a máquina fotográfica, vocês vão ter que imaginar a belezura do prato. Aqui em casa a galera se divide entre comedores de carne inveterados e vegetarianos e simpatizantes. Até os carnívoros lamberam os beiços.
Pra acompanhar, também dá uma olhada no estoque. Batatas cozidas ou arroz integral são as melhores pedidas.

Guten Appetit!

Mudaram as diretrizes do curso de jornalismo

Ironicamente, caiu a monografia e o jornalismo foi separado da comunicação. O curso foi dividido em vários eixos temáticos, na tentiva de conseguir a tão sonhada aliança entre teoria e prática. A proposta segue pro conselho nacional de educação e ainda não tem data de aprovação.

Ô, mãe. Eu quero ter quinze anos.

As novas diretrizes completas, acá.
A opinião
presidente da comissão, professor José Marques de Melo, acá.

Esse trechinho nem é o melhor do texto, apenas uma questã de momento histórico.

"O trabalho de Conclusão de Curso (TCC) deve ser entendido como um componente curricular obrigatório, a ser desenvolvido individualmente, realizado sob a supervisão docente e avaliado por uma banca examinadora formada por docentes e também por jornalistas profissionais convidados. Deve envolver a concepção, o planejamento e a execução de um Projeto Experimental constituído por um trabalho prático de cunho jornalístico, acompanhado necessariamente por relatório, memorial ou monografia que realize uma reflexão crítica sobre sua execução, de forma a reunir e consolidar a experiência do aluno com os diversos conteúdos estudados durante o curso."

* Muito obrigada a comunicativista Ana Lúcia pelos links.

23.9.09

Padrão de ocultamento

Estava relendo alguns posts do meu objeto de pesquisa, o excelente Biscoito Fino e a Massa, e meu sangue voltou a ferver de indignação. Pela cobertura porca da grande mídia, pelo absurdo de Gaza, pelo silêncio assassino em que estamos mergulhados.

Meu momento preferido aconteceu quando eu disse que jornalistas têm de ter lado, e que o lado dos jornalistas têm de ser o lado dos que mais sofrem. Se me mandassem cobrir o tráfico de escravos no século 18, eu jamais daria destaque, no que escrevesse, à opinião do capitão do navio mercador de escravos. Se me mandassem cobrir a libertação num campo de concentração nazista, eu não entrevistaria o porta-voz da SS. Nesse ponto, um jornalista do Jewish Telegraph em Praga “argumentou” que “o exército israelense não é Hitler”. Claro que não. Eu não disse que é. Aqueles jornalistas, sim, é que temem que seja.

Por onde ando, sempre as mesmas velhas idéias sobre o Oriente médio, Robert Fisk, tradução de Caia Fittipaldi

22.9.09

Monografia times

Depois do (in)sucesso da pergunta "por que você bloga" a mono me deixou com mais uma pulga. Como definir um blog? O que me leva a seguinte questã: o que é um blog? Favor deixar respostas na caixa de comentários.

21.9.09

#Lávamosnósdenovo

Caçadora de citações

Livremente inspirada na Colcha de retalhos musical natuschiana e em homenagem as horas caçando citações pra embromar a monografia, segue uma lista de citações e trechos de livros mais ou menos sérios postadas em algum momento de um passado longíquo por ninguém mais ninguém menos que... moi, ora, bolas.

"tem horas na vida em que a gente não fica muito escolhendo caminho, nem escolhe, é escolhido. Vai apenas porque tem vontade de ir em frente, arriscar, ver o que acontece, só pra não se arrepender de não ter seguido. O que vêm depois, é conseqüência".
Ricardo Kotscho

"Eu vi a Rita Lee lambendo o microfone. Passei anos da minha vida com vontade de fazer isso e com medo de ser eletrocutada." Elis Regina

"(...)Não existe meio de verificar qual é a boa decisão, pois não existe termo de comparação. Tudo é vivido pela primeira vez, sem preparação. Como se o ator entrasse em cena sem nunca ter ensaiado. Mas o que pode valer a vida, se o primeiro ensaio já é a própria vida? É isso que faz com que a vida pareça sempre um esboço. No entanto, mesmo "esboço" não é a palavra certa porque um esboço é sempre um projeto de alguma coisa, a preparação de um quadro, ao passo que o esboço que é a nossa vida não é esboço de nada, é um esboço sem quadro(...)"
Milan Kundera, A Insustentável Leveza do Ser

"O SUPEREGO é solúvel em álcool."
cartaz de uma festa da psicologia

"O diabo desta vida é que entre cem caminhos, temos que escolher apenas um e viver com a nostalgia dos outros noventa e nove."
André Gide


"A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente só molha os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda satisfeito porque tem sono atrasado. A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele.
Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida.
Que aos poucos se gasta, e que, de tanto acostumar, se perde de si mesma."
Marina Colasanti

"A gente tem que ser feliz, a gente tem que viver o que a gente pode".
Sabia futura jornalista fodona

"... o que nos define não é o resultado de nossas eventuais inspirações, mas sim o acumúlo de nossas banalidades."
algum revista semanal da vida

"(...) a verdade é que chega-se sempre longe demais quando não se quer Ir Direto Aos Fatos, e o problema de Ir Direto Aos Fatos é que não há cir-cun-ló-quios então, e a maioria das vezes a graça reside justamente nesses Vazios Volteios Virtuosos, digamos assim: que não haja beleza nos fatos desde que se vá direto a eles? ou que não exista mistério, que seja insuportavelmente dispensável gostar dos tais circunlóquios. Ultrapasse-os, ordeno. Acontece que. Não, nada acontece."
Caio Fernando Abreu

"Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime."
Fernando Pessoa, Tabacaria

"(...) existe uma receita, a norma dum caminho certo, estreito, de cada uma pessoa viver -e essa pauta cada um tem - mas a gente mesmo, no comum, não sabe encontrar; como é que, sozinho, por si, alguém ia poder encontrar, e saber? Mas, esse norteado, tem. Tem que ter. Se não, a vida de todos ficava sendo sempre o confuso dessa doideira que é. E que: para cada dia, e a cada hora, só uma ação possível da gente é que consegue ser a certa."
Riobaldo do Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas

"O Sertão é sem fim; o Sertão está em toda parte; o Sertão tá dentro da gente".
Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas

" If your species will continue, clap your hands. "
Preguiça, Era do gelo 2
(mais alguém com problemas pra postar imagens no blogspot?)

20.9.09

La revolución de los blogs/ Por que blogar?

Rapidão, entre um artigo e outro. Palmas pra mim, a mono tá saindo aos poucos e eis que começo a achar a pesquisa interessante. o.O
No mar de autores que tenho lido, um me chamou atenção por definir o blog como um meio e não como gênero. Para Jose Luis Orihuela é indiferente definir se um blog é jornalístico, literário ou o diabo a quatro, a sacada é perceber as apropriações que as pessoas estão fazendo dele. E aí que tá a revolução!
Qualquer um, sem a necessidade de dominar conhecimentos de html ou qualquer outra tranqueira internética pode produzir e publicar conteúdo; esse conteúdo, por sua vez, entra numa roda de construção coletiva sendo ampliada a partir dos comentários e hiperlinks. Tudo isso xunto e reunido cria uma rede de conversação e difusão de informação, que se contrapõe a mídia tradicional e a obriga a se repensar e olhar para o público não mais como mero receptor mas parte integrante do processo.
Very, very cool.
Oká, de volta aos artigos.

P.S. O Orihuela também defende que os blogs só tem a força que tem porque as pessoas escrevem, basicamente, porque "ten la gana", o que me deixou curiosa. Aos amigos que tem blogs, o que levou vocês ao primeiro post?
Eu comecei o falecido Nada de muito interessante (o nome era um chiste com a Super interessante e ao mesmo tempo uma forma de baixar as expectativas de quem entrasse lá e me deixar mais desenibida de escrever) lá pelos idos de 2003, acho. Foi logo depois de ler um artigo na Veja (taquem as pedras) sobre o fenônemo das páginas pessoais. Lembro até que um dos exemplos de blog era o site de uma guria chamada Cecília que publica poesias sobre um fundo rosinha, algo impensável de ser citado numa revista como exemplo de blog hoje em dia. Enfim, eu comecei porque parecia legal.
E vocês?

Agora sim, de volta aos artigos. Afinal, é só um belo domingo de sol LÁ FORA.
"Um dia, confundiu-se, o poeta
Disse ao amante que cuidasse do amor
Que da poesia cuidaria ele próprio
Pateta."

Autor (des)conhecido

19.9.09

Tem alguma coisa em crescer e tomar rumos diferentes que faz as pessoas irem se desconhecendo com o tempo.

17.9.09

"O super-homem, o super-homem era jornalista!".
Rosa Nívea

O problema é que eu não sirvo nem pra Chapolim.

Perguntas roubadas

"Os usuários de blogs lêem tanto quanto escrevem? Por que a cada dia aumenta o número blogs na Web? Por que empresas e veículos de comunicação estão criando blogs? Por que os blogs provocam tanto interesse? Os jornalistas e os blogueiros têm a mesma responsabilidade com o conteúdo? Qual o critério para avaliar a qualidade de um blog? O que leva um blog a fazer sucesso? Até que ponto os blogs permitem o exercício da liberdade de expressão? Existe literatura de blog?"
Daqui.

Pneumotórax

(de novo, cause boa poesia é boa poesia e merece ser relida)

Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos.
A vida inteira que podia ter sido e que não foi.
Tosse, tosse, tosse.

Mandou chamar o médico:
- Diga trinta e três.
- Trinta e três... trinta e três... trinta e três...
- Respire.

- O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.
- Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?
- Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.


Manuel Bandeira
(1886-1968)

11.9.09

Que que junho tá fazendo lá fora?

O prédio cheira a cachorro molhado. A pilha de roupas pra lavar pisca sacana, 'semana que vem, babe. Semana que vem'.
São Pedro, amigão, o pessoal precisa fazer fotossíntese também.

10.9.09

"O que nos impede de ter o que queremos, ser o que sonhamos e fazer o que pensamos é a ousadia que não cultivamos" (Clarice Lispector)

Expediente monográfico

ou Prestes a virar um disco riscado

A minha monografia é sobre blogs, não que ela seja algo grandioso e mega interessante. Quando tive a idéia era apenas uma forma de juntar coisas que eu gostava num trabalho só: jornalismo internacional, Gaza e contra-informação - os blogs, no caso. Mas como monos são monos, o objeto foi fatiado até ficar pequenininho e caiu todo o resto, sobrando só os blogs. E tu sabe que tem uma carrada de coisas pra estudar sobre um troço aparentemente tão simples?
Pra começar, o que é um blog? Um site de cunho pessoal em que as mensagens são escritas em ordem cronológica reversa. Tá, mas nem todos os blogs são pessoais e nem todas as postagens vem em ordem reversa. Uma ferramenta que permite a produção e edição de conteúdos sem que o usuário tenha a necessida de dominar linguagem HTML? Ok, mas daí a gente não reduz o blog a ferramenta, e toda a parte comunicativa?
É pano pra manga que não acaba mais. Fora toda a apropriação dos veículos de comunicações tradicionais e das empresas dos blogs. E agora vou voltar pra teoria, que amanhã tem orientação.
Poesia. Saudade de enxergar poesia pelas esquinas.

9.9.09

09.09.09

às 9h55


Dizem as más línguas e boas memórias que em 1999 eu era uma criança insuportavelmente feliz por fazer aniversário numa combinação tão combinada.
Hoje fico apenas com o feliz (mas que é uma combinação bacana, é).

P.S. Tortas de morango com nata podem ser enviadas para a Ferreira de Abreu.

8.9.09

Monografia times

Hmn, quem sabe se eu organizar as minhas meias por cor...

4.9.09

R. K

Estou apaixonada. Na verdade, a paixão é antiga. Do começo faculdade ainda. Assim que li Ébano, minha vida na África do Ryszard Kapuscinski pela primeira vez descobri quem eu queria ser quando crescer. Agora, lendo Minhas viagens com Heródoto - entre a história e o jornalismo (viva as bibliotecas!), relembrei. Uma jornalista com alma. De preferência capaz de passar isso pros textos e escrever frases da magnitude de "A África é uma eterna permanência" sem que essas soem pretensiosas, apenas verdadeiras.


*R. K nasceu em Pinsk, na Polônia em 1932 e morreu em janeiro de 2007, na Varsóvia. Foi correspondente na Ásia, no Oriente Médio, na África e na América Latina, além de ter presenciado 27 revoluções, vivido 12 frontes de guerra e ter sido condenado à morte por fuzilamento quatro vezes. Ele também escreveu uma dezena de livros e concoreu ao nomel umas quatro vezes.
Digamos que o gajo, além de talento, tinha um santo bem forte.

3.9.09

Caso churrasquinho

ou jornalismo mercenário

Pra não dizer que passo os dias só olhando o teto. Hasta la vista, babe - Fugiu para a Espanha o empresário que queimou a mulher viva em Novo Hambugo, no Rio Grande do Sul.

Ou só a parte do fugiu pra Espanha

Por onde andará Sanfelice

Por Paula Bianca Bianchi

Pouco mais de três anos depois de ter sido condenado por júri popular a 19 anos e três meses de prisão pela morte da jornalista Beatriz de Oliveira Rodrigues, Luiz Henrique Sanfelice curte férias prolongadas na Europa – ao menos é o que acredita a polícia gaúcha, que já acionou até a Interpol para encontrar o empresário.
O delegado Eduardo de Oliveira Cesar, do Departamento Estadual de Investigações Criminais, prefere evitar especulações e diz que Sanfelice está “foragido, em local incerto e não sabido”, mas graças a cidadania espanhola do empresário a Europa é o esconderijo mais citado.
Devido a falta de antecedentes e o bom comportamento, em março de 2007 Sanfelice ganhou direito a progressão de pena e passou do regime fechado para o semi-aberto no presídio Estadual de Novo Hamburgo. No dia 10 de abril do ano passado, ao saber da decisão do Tribunal de Justiça que o obrigava a voltar ao regime fechado preferiu nem voltar para a cadeia.
Seu Rudimar, dono da padaria Novo Pan, pertinho do presídio, diz que ele era um cara legal. “Comprava o lanche aqui todo dia, tratava todo mundo bem e voltava pra prisão.” Bem longe do assassino condenado que chocou o estado há cinco anos por queimar a esposa, Beatriz, viva dentro de um carro no dia dos namorados.
O crime aconteceu em junho de 2004, num matagal conhecido como Santuário das Mães em Novo Hamburgo e terminou com a condenação de Sanfelice em dezembro de 2006 por homicídio triplamente qualificado.
Depois da fuga, Sanfelice ainda teve tempo de visitar o filho que teve com a amante, Andréia Soares, grávida de 3 meses na época do julgamento, e comemorar o aniversário com os amigos. A polícia correu para o apartamento de Andréia, no bairro Partenon em Porto Alegre, mas fora algumas fotos com o filho e um exame de DNA comprovando a paternidade nem vestígio do empresário.
Os advogados de Sanfelice, Gabriela Michaelsen e Mathias Nagelstein, dizem não ter notícias do cliente desde abril e insistem na sua inocência. Eles esperam que até o fim do ano seja julgado um recurso de apelação anulando o júri que sentenciou o empresário.
Enquanto isso, a polícia segue na pista ou não pista do empresário. Por um detalhe do código de execução penal, mesmo se encontrado, Sanfelice não deve passar mais de dois meses em regime fechado, afinal fugiu do semi-aberto. “É um jogo de gato e rato”, lembra o delegado Eduardo. E o rato segue passeando.

* Convenhamos, muito chique aquele Paula Bianchi é repórter em Porto Alegre.

2.9.09

One day Alice came to a fork in the road and saw a Cheshire cat in a tree. 'Which road do I take?' she asked. His response was a question: 'Where do you want to go?' 'I don't know,' Alice answered. 'Then,' said the cat, 'it doesn't matter.'

Lewis Carroll
1864-1928

Hello primavera

E não me venham com calendários. Ou só eu que vi os ipês floridos na rua?