10.9.09

Expediente monográfico

ou Prestes a virar um disco riscado

A minha monografia é sobre blogs, não que ela seja algo grandioso e mega interessante. Quando tive a idéia era apenas uma forma de juntar coisas que eu gostava num trabalho só: jornalismo internacional, Gaza e contra-informação - os blogs, no caso. Mas como monos são monos, o objeto foi fatiado até ficar pequenininho e caiu todo o resto, sobrando só os blogs. E tu sabe que tem uma carrada de coisas pra estudar sobre um troço aparentemente tão simples?
Pra começar, o que é um blog? Um site de cunho pessoal em que as mensagens são escritas em ordem cronológica reversa. Tá, mas nem todos os blogs são pessoais e nem todas as postagens vem em ordem reversa. Uma ferramenta que permite a produção e edição de conteúdos sem que o usuário tenha a necessida de dominar linguagem HTML? Ok, mas daí a gente não reduz o blog a ferramenta, e toda a parte comunicativa?
É pano pra manga que não acaba mais. Fora toda a apropriação dos veículos de comunicações tradicionais e das empresas dos blogs. E agora vou voltar pra teoria, que amanhã tem orientação.

2 comentários:

Juliano Tatsch disse...

Bom tema este, finalmente, escolhido por ti. Não sei se há muita bibliografia sobre o assunto, o que, de certa forma, não é de todo o ruim e traz responsabilidade, pois, destarte (como diria aquele famoso mestre), passarás a ser uma destas bibliogafias a serem consultadas. Mas, se não gostares do que estás fazendo e decidires, mais uma vez, mudar de tema, o twitter está aí, bombando. Ah, e tem o Woofer também, para os, assim como eu, prolixos. Abraço.

Paula disse...

Hehehe. Ia ser bacana virar referência, mas meus objetivos são bem menos ambiciosos. Apenas fazer uma monografia honesta e que não me tire os cabelos. Quanto ao tema, tu sabe que eu to achando esse bem interessante? Já tem vários trabalhos na Fabico sobre o Twitter (o wooffer deve ganhar alguma coisa em breve), mas prefiro ficar com os blogs.
Tava lendo um artigo agora bem bacana. A autora defende que os blogs inaugura um novo tipo de jornalismo na web, formulado totalmente na rede, em que a importância do leitor sobe frente ao blogueiro/jornalista já que a ferramenta chuta o balde da hierarquização tradicional jornalística e tem como critério de destaque meramente o tempo.
Enfim, tem bastante pesquisa pela frente. Agora só preciso de um nome fantasia bala como O grosso calibre das palavras.