1.3.10

Esconde esconde culinário

Se você amigo está cansando de gastar os tubos em pretensos restaurantes nordestinos pra comer uma mísera cumbuquinha de escondidinho, seus problemas acabaram. Agora se você amigo não faz a mínima idéia do que é esse tal de escondidinho, os seus problemas acabaram também. O Palim vestiu o avental e ensina você não só o que é o bicho, como ainda explica direitinho comofaz.

Sim.

O mundo caindo e eu vou de falar de... comida. É. Porque comida é uma parte importante da vida. Porque é justo quando o mundo cai que dá mais fome e talvez, mas um talvez bem zinho, porque eu queira exibir meus parcos (mentira) dotes culinários por aqui.

Introduções a parte, o escondidinho é bom. Muito bom. Quer desculpa melho pra comer-aprender a fazer?

A minha versão é meio fim de festa como toda boa versão home alone e veio como uma epifania num fim de domingo. Enquanto no escondidinho clássico mistura mandioca e carne seca o meu reafirma o seu gaúchismo com sobras de churrasco. De quebra ainda é uma opção para o também clássico carreteiro pós churrasco da segunda-feira.

Você vai precisar de:
  • Macaxeira, aipim ou mandioca. Depende a região do vivente;
  • Aquela carne que sobrou do churrasco. No caso dos hereges, também dá pra se virar com um bifão recém comprado;
  • Um tiquinho de leite;
  • Um tiquinho de margarina;
  • Queijo - ralado, fatiado, o que tiver por perto. Se tiver os dois, melhor;
  • oléo, azeite de oliva, oquetiver;
  • Sal;
  • Pimenta;
  • Mais alguns temperos que tiverem sobrevivido a verão, como orégano;

A quantidade de aipim depende da quantidade de carne e da quantidade de comida que tu quer fazer. Todo caso um bom pedaço mais ou menos do tamanho de uma régua de colégio rende ao menos quatro porções bem servidas.

Pra começar descasca a mandioca, corta em pedaços e coloca pra ferver. Imagina que tu vai fazer um purê, só que de macaxeira. Como o aipim é bem mais fibroso que a batata tem que ferver mais. Colocou a colher e esmagou um cantinho numa boa sem fazer força, you go man. Estamos prontos pro step 2.

Claro que antes do 2 tem o 1,5. Enquanto ferve a mandioca tu pega a carne de churras-bife feito a uns minutos atrás e corta em tirinhas bem pequeninas. Falando francamente, esquece a faca e ataca com a tesoura de cortar caixa de leite. Estamos em 2010. Pra que sofrer?

Uma vez esfiapado a carne, põe na frigideira com um pouquinho de azeite plus pimenta plus orégano plus os temperos que der vontade. No caso do churrasco é melhor maneirar no sal. Aqui em casa a galera não tem apreço pelos rins. Ou seja. Se a carne já bem estiver salgada não precisa de mais pózinho branco.

Voltando a mandioca agora fervida, é só uma questão de escorrer e esmagar. Em casas mais sortudas é possível contar com aparelhos estranhos e interessantes, com furinhos embaixo e pegadores longos, vulgos esmagadores. Se esse não for o seu caso, não entre em pânico. Um bom garfo serve e ainda por cima exercita as graxinhas.

Macaxeira esmagada volta pra panela, dessa vez com o pouquinho de leite, o pouquinho de margarina mais o sal e os temperos. Mexe até incorporar bem o leite ou ficar com aquela cara de purê, saca?

Com a carne e o aipim pronto já dá quase pra partir pro abraço. É só uma questão de pegar uma travessa-cumbuquinha-oquetiver e fazer uma caminha de mandioca. Cobre com a carne e cobre de novo com a macaxeira e voilà.

Falta só cobrir tudo com o queijo, colocar pra gratinar (sabe forno? isso), esperar o derivado do leite borbulhar e partir pro abraço.Não exige prática, tão pouco habilidade. Oxênte pra vocês também.

Pra quem dúvida da gostosura do prato, um google images de dar água na boca:

Nenhum comentário: