29.6.10

Enfim, a famigerada monografia

Todos aqueles que acompanharam - ou não - o meu tormento monográfico provavelmente devem ter sentido falta de uma coisa, a cereja do bolo, a prova de que eu não estava reclamando à toa e viajando no ácido, a bichinha final, aquela que se pudesse ser traduzida em horas equivaleria a uma bunda quadrada e noites sem dormir de digitação e preocupação: a monografia.

Antes tarde do que mais tarde, segue o pdf da bichinha (hoje acordei com um pézinho no nordeste).

Ok, essa vontade de publicação súbita me-ses depois da banca teve um empurrãozinho. O autor do finado blog "O Biscoito Fino e a Massa", que analiso, por uma dessas coincidências internéticas da vida leu o texto e gostou (e bastante), o que me dá um certo alívio e um bocado de orgulho, afinal não dormi, engordei e me esforcei estudando para que a pesquisa ficasse bacana ou ao menos razoável.

Também foi muito legal descobrir - e agora a modéstia que vá pras cucuias - que a monografia foi baixada mais de cem vezes do site da UFRGS, em locais tão diferentes quanto os Estados Unidos, a Argentina e a Alemanha e que um trabalho que inicialmente "no máximo oito pessoas iam ler em vinte anos", como disse certa vez um professor, serviu para alguma coisa e está por aí. Servindo de tijolinho pra outros trabalhos e ajudando a construir, quiçá, conhecimento (seja lá o que signifique isso).

De novo, agradeço aos amigos do peito irmãos camaradas que ajudaram, quando não lendo e corrigindo, me ouvindo pirar sobre links e a Palestina ou apenas confiando que ia acabar tudo bem - em especial a Analu, que imprimiu ela quando eu estava em outro pagos, sofrendo por outros textos -, e a minha grande orientadora Laura Storch. Sempre que ouço comentários de orientação faço questão de destacar como foi importante ter a Laura por perto, podendo recorrer a ela a qualquer hora - mesmo.

Ok, sem mais blá blá, a monografia (só não se assustem com o tamanho do título):


Em breve e com sorte na versão artigo para congresso.

Nenhum comentário: