28.2.13

O parquinho dos arquitetos em Barcelona

A temporada na Espanha começa a ganhar uma rival a altura. A Itália é fantástica e já estou com pena de ir embora na segunda-feira. Mas antes, e pra não deixar o relato capenga, vamos as últimas dicas catalãs.
Depois de fazer os passeios clássicos - Montjuic, Guell, Barceloneta, Ramblas*- tire um tempinho para conhecer a nova Barcelona.
A minha sugerência, como diriam os amigos espanhóis, é começar o dia com um piquenique nas areias da Barceloneta, antigo bairro pobre elevado ao hype pela praia e pelas reformas pós-olimpíadas, e terminar percorrendo, se possível de bicicleta, a parte mais nova da cidade.
Chegando na praia tem um restaurante de wok, massa oriental com tudo e mais um pouco dentro, moda por aqui. É só comprar, colocar a canga na areia e ser feliz, cruzando a bela vista com a habilidade com os hashis. Outra dica local é trazer a sua bebida - vinho, vinho! - do supermercado, já que o preço da massa é bacana, mas a água e afins não.
Depois procure uma das lojinhas que alugam bicicletas. No inverno é fácil encontrar bikes a 15 euros ao dia - e vale a pena. Se ocupe em percorrer a orla, entre no Macba, museu de arte comtemporânea (tome o cuidado de escolher uma bici com corrente e cadeado, para poder parar com calma), e siga na direção contrária ao hotel W pela imensa ciclovia que beira o mediterrâneo.
A paisagem vai perdendo o ar turístico, mas não desista. Em vinte minutos de pedalada você passa pela Barcelona olímpica, o Pobleneu, completamente diferente do centro histórico e mais convencional, e chega ao "parquinho" dos arquitetos que desenham a cidade atualmente. São prédios diferentes, mas que fazem sentido nesse contexto. Tome um café nos arredores do Fórum para recuperar as energias e volte por dentro do bairro, pela ciclovia da Avenida Diagonal, que começa ali na Rambla de Prim, voltando a praia pelo Passeig de Sant'Joan.
Pronto, agora você conhece uma Barcelona um pouco diferente dos guias turísticos.

*Rambla é a denominação genérica barcelonense de boulevar, aquele calçadão do pedestre. Quando a gente fala em As Ramblas de Barcelona, está se referindo as tradicionais ramblas do centro da cidade, um dos pontos turísticos mais famosos. Caminhe por elas, se encate com as estátuas vivas, as flores, mas não cometa o erro de sentar e comer por lá.
Como qualquer main streem turístico, a ideia geral é tirar o máximo o dinheiro dos desavisados. Em caso de fome desça em direção à praia e busque a Plaza Real, pracinha a duas quadras do Mercado Bocheria, onde é possível comer primeiro prato, segundo, sobremesa e vinho por 10 ou 12 euros em simpáticas mesinhas ao sol com guardanapos de pano e serviço de primeira classe. Recomendo o 15 Nits.

Nenhum comentário: