3.9.13

Federico em su balcón

Entrei em uma livraria no centro da cidade pra fazer aquele tradicional passeio entre os livros e alegrar o dia e acabei com um exemplar do último livro do mexicano Carlos Fuentes por conta do título e do primeiro parágrafo, o famoso lide em jornalistês.

"Eu o conheci por acaso. Era uma noite mais que quente, pegajosa, irritante, inquieta. Uma dessas noites que não aliviam o calor do dia, mas o aumentam. Como se o dia acumulasse, hora após hora, sua própria temperatura só para soltá-la, toda junta, ao morrer a tarde, entregá-la, como uma noiva molesta e manchada, à longa noite."

Me lembrou o verão em Porto Alegre, quando as madrugadas se enchem de latidos dos moradores aflitos que levam os cachorros pra passear na esperança de que passar calor na rua pareça menos sufocante do que em casa.

É uma conversa entre Fuentes e Nietzsche, ambos na sacada.

Leremos.

Nenhum comentário: