3.11.15

Para a Fernanda

Lá pelos idos do longínquo 2008 (?) miss Fernanda Schossler foi morar comigo por uns meses num apartamento pertinho da faculdade, em que sobrava amor, loucura e cerveja, incluindo na parte da loucura nossa roomate bipolar de quem, com frequência, nos escondíamos, com a desculpa de estarmos dormindo. 
Também foi nessa época que a Fer passou a trabalhar na Centro, onde ela segue até hoje, depois de uma longa e tensa seleção. A gente acha que um estágio é só um estágio, mas quanto de uma vida não muda pelo simples fato de decidir trabalhar em um lugar e não em outro? 
Não sei precisar agora se foi na primeira ou segunda semana lá, seguramente no primeiro mês, que alguém da firma começou com a brincadeira inocente de chamar o Luciano de marido da Fernanda. A alemoa entrou nessa também e nos contou, entre risos, que havia arrumado um marido de mentira na agência. 
Até então, a coisa não ia além disso, mas eu bem tive uma aula semana passada em que o professor nos lembrou do poder da linguagem: "A forma como a gente narra o mundo constitui o mundo". 
Que desse marido imaginário o Lu tenha se tornado um marido real e, para falar bem a verdade, um dos melhores companheiros que eu como amiga poderia querer para uma das minhas melhores amigas, é de uma coincidência tão grande que parece mais história que qualquer outra coisa. Mas também a gente sabe que é dessas realidades que nascem as histórias para contar para os netos e as fábulas que nos fazem acreditar que é possível sim achar alguém para dividir a vida nesse emaranhado maluco de seis bilhões de almas.
Na sexta-feira à tarde, a Fernanda e o Luciano casaram num cartório qualquer de Porto Alegre, sem chuva de arroz nem festa, coisa de quem já estava casado há bem mais tempo, só não se tinha dado o trabalho de colocar as coisas em papel timbrado. 
E casamos nós todos um pouquinho, vendo mais uma página da inexorável caminhada rumo ao mundo adulto ser virada.
Ficam aqui os meus parabéns.
Amo vocês.
Ainda veto bebê Schossler-Lírio por motivos de bar.

Nenhum comentário: