18.4.16

17 de abril de 2016

Domingo de sol em Copacabana. Família brasileira unida. Pais, filhos e avós de verde amarelo, com a bandeira do Brasil nas costas e a camisa da seleção. Cerveja e caipirinha correndo soltas. Teve até quem trouxesse cadeiras de praia para não perder um minuto da votação em Brasília transmitida em três telões instalados à beira-mar. Passa um ambulante com um adesivo da CUT no isopor, alguém com uma camisa do Vem pra rua começa a xingá-lo, até que o homem, constrangido, arranca o adesivo. O baile segue. Cada vez que uma deputada se posicionava contra o impeachment, o povo urrava, “vadia”, “filha da puta”. Quando era um deputado que dizia não, os xingamentos mudavam um pouco. “Traidor”, “vagabundo”. As crianças gritando junto, imitando os pais. Outro ambulante passa, diz algo sobre vermelho, não consigo ouvir. Cinco homens com a camisa da CBF correm atrás dele e começam a chutá-lo. Ele cai no chão, tenta se defender. A alguns passos de distância, um PM come um milho, sem se mover. Corro até ele, pergunto se não vai fazer nada. O policial diz que o ambulante “merece” e dá mais uma dentada no milho. Cai a noite. Um certo deputado justifica o voto citando o coronel Ustra, apontado pelo Ministério Público Federal como torturador do DOI-CODI. A multidão entra em êxtase. Entrevisto uma senhora de idade, que veio ao ato com as duas netas. Ela sorri. “Estou aqui pelo Brasil."

Nenhum comentário: