7.4.16

Um choro e um cheiro pelos 20 anos

Uma vez, em algum lugar da Bolívia, sentei para jantar com um fotógrafo brasileiro e um escritor chileno que conheci nas andanças dessa que foi minha primeira grande viagem solita. Tinha 21, 22 (?) anos, toda aquela sede de mundo, e prôpus um brinde a estarmos ali juntos, até hoje uma das minhas formas favoritas de celebrar encontros. Estávamos num local muito simples, mas com uma comida sensacional, conhecido como ‘agachados’ ou algo assim, por ser em tese frequentado às escondidas pela aristocracia local da imponente Santa Cruz de la Sierra. O fotógrafo parou meu brinde no meio e corrigiu, “Vamos brindar a tua juventude”. O escritor concordou. “O que eu não daria para ter 20 anos e todas as possibilidades pela frente outra vez”. E o brinde engatou numa série de casos dos dois correndo a América Latina com direito até a uma filha gaúcha do chileno no meio da história. À época, eu ri e não dei muita bola. Esses dias lembrei dessa história e a frase bateu. Vejo E lá se vão os 20 anos fazendo a curva.

Nenhum comentário: