14.6.16

Precisamos falar sobre a cultura do estupro

Cabou que o fim de maio foi marcado pela notícia terrível de um estupro coletivo aqui no Rio de Janeiro envolvendo uma menina de 16 anos. A parte todo o horror da coisa, cresceu pelas redes, jornais e afins um debate até então mais restrito a grupos feministas: a necessidade de falar da cultura de estupro. Contribuindo pro debate, toquei com umas amigas um Mangiare e rabisquei uma matéria em cima de uma conversa com duas pesquisadoras que manjam muito mais do que eu do assunto. Para nã deixar isso passar em branco também aqui pelo Palim, segue o link, no esquema de sempre.

Análise: sociedade não se vê em cultura do estupro, mas condena mulher por sexo


  • Manifestantes se reúnem na avenida Paulista, em São Paulo, e participam do ato "Por todas Elas", contra a cultura do estupro e a violência praticada contra as mulheres

O delegado que pergunta para a vítima de estupro se ela tinha o hábito de praticar "sexo em grupo", como ocorreu no caso da adolescente de 16 anos estuprada noRio de Janeiro, e a pessoa que lê uma notícia de abuso e pensa que a vítima "pediu para isso acontecer" ao tomar determinadas decisões fazem, para a antropóloga Alba Zaluar, parte de uma mesma cultura que culpa a mulher por fazer sexo.
"Quando você pergunta se a pessoa fazia sexo grupal é o mesmo que perguntar: 'você é uma piranha?'", diz Alba, referindo-se à conduta do delegado Alessandro Thiers, titular da DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informação), afastado no domingo (29) da investigação do caso de estupro coletivo. "Tem toda uma condenação moral para as mulheres que dão, o que não existe para os homens", afirma.

Nenhum comentário: