18.11.16

Quanto tempo é tempo?

Pra esquecer alguém, tocar em frente, começar uma história nova.
Mal faz duas semanas que Kafi, a gata com quem dividi apartamento pelo último ano e meio, trocou as Laranjeiras por um novo lar sem varanda mas com terraço na Tijuca. Ainda chego em casa procurando por ela, estranhando não ser acordada pelo seu miado de ‘deu, tu já dormiu demais, é hora de me alimentar’ nem cruzar/tropeçar em seu corpinho peludo pelo corredor.
Me consolava – e isso é errado, eu sei -, pensar numa Kafi com os olhos fixos na porta, achando que estava em um passeio mais longo que o normal, contando o tempo para voltar. Quem sabe assim ela não acabava voltando mesmo?
Mas eis que dona Ana avisa contente – em parte pelo alívio de já não ter quilos de pelos para aspirar pela casa, em parte por não ser na barriga dela que o bicho dormia longas siestas, ciumento dos livros que ousavam chamar mais atenção que o seu ronronado -, que Kafi ‘leva a vida que pediu a deus’, pulando de telhado em telhado e exercitando o lado selvagem que deixou marcas tanto nos meus braços quanto nas visitas desavidas que teimavam em confundi-la com uma gata qualquer.
Duas semanas, e viramos, eu, Daniel e Júnior, história.

Nenhum comentário: